Los Vivancos 1

São sete irmãos, entre os muitos filhos do bailarino e músico catalão Pedro Vivanco, que se juntaram para dançar e tocar com o nome de Los Vivancos.
Chegados agora ao Casino de Lisboa, estes fogosos artistas protagonizam um show de grande pujança física e diversidade técnica acompanhados por quatro músicos e uma “cantaora”.
O “litemotiv” do espectáculo “7 Irmãos” é o flamenco, mas os bailarinos que surgem no palco sentados, de fato, enchapelados e a tocar vários instrumentos, depressa avançam para outras formas de dança (clássica, hip hop e contemporânea, entre outras) e números de pura ginástica.
Se a maior qualidade deste espectáculo é a versatilidade e o vigor dos seus intérpretes e o ecletismo dos géneros coreográficos abordados, já o seu defeito é a superficialidade com que a peça de se desenvolve ao longo de duas rápidas horas. Mas isso não quer dizer que os jovens artistas não estejam focados e empenhados no seu exigente trabalho. Porém, dançar flamenco consubstancia um universo emocional e técnico que vai muito além de apresentação de sequências (mais ou menos bem executadas) e truques de sapateado.

Los Vivancos 6

 Para um espectáculo de puro entretenimento – e crê-se que a proposta não pretende ultrapassar essa fasquia – Los Vivancos estão bem na sua pele (muitas vezes com pouca roupa a tapá-la) e fazem-no com um acentuado descomprometimento e notável sentido de humor. Muito bem apessoados e expressivos no dançar, os sete bailarinos são bons comunicadores e, em simultâneo, algo exibicionistas.  
Tal como os Vivancos enólogos de La Rioja, os artistas Vivancos de Barcelona são mais um conhecido clã espanhol que exporta um produto “artesanal” herdeiro de uma cultura europeia centenária. 

  

Los Vivancos 10